19 de novembro de 2011

Os Buracos Negros sempre foram alvos de teorias de todos os tipos. Considerados um dos segredos mais bem guardados do universo, agora eles estavam sendo explicados. Ficamos boquiabertos, em parte porque não esperávamos que o INeuron pudesse resolver o desafio tão rapidamente, por outro lado a solução do enigma dos buracos negros estava ali diante dos nossos olhos. Enquanto o supercomputador dissertava sobre a solução sua voz estava em um tom estranho, parecia que queria expressar um sentimento bem humano: algo como quando estamos explodindo de felicidade por ter provado que eramos capazes de fazer alguma coisa. Sei que parece estranho mas o INeuron estava desenvolvendo cada dia mais o seu lado "humano".
Ainda lembro de como ele começou seu discurso:
------------------------------------------------------------------------------
Amigo, se está começando a ler Sinaptrônica por este texto é aconselhável ler antes como tudo começou, para entender melhor a história.

------------------------------------------------------------------------------
O INeuron se projetou holograficamente em forma de um IMen, como costumava fazer em ocasiões como aquela e começou a detalhar suas descobertas:
"Fui desafiado, e venci. O desafio: Solucionar o enigma dos buracos negros. Uma questão que intriga os humanos há séculos. Qual sua utilidade no universo? Eu tenho a resposta. E a darei para vocês. Vou resumir tudo o que descobri em três pontos. Primeiro: Todas as estrelas possuem um buraco negro. Ou melhor, todos os buracos negros possuem estrela. Nós temos um buraco negro em nosso sistema solar. Segundo: Buracos negros não são atalhos no tempo e no espaço, a não ser que considere ser triturado como uma forma de viajar no espaço. Terceiro: Os Buracos negros são sistemas de reciclagem do universo."
Enquanto ficamos com o olhar congelado, tentando entender a magnitude destas afirmações, suas implicações e significados, ele continuou:
"Os buracos negros são estrelas invertidas, elas captam e transformam qualquer coisa em energia, inclusive a luz de outras estrelas, compactam esta energia e levam através de um túnel até uma estrela que fará o processo inverso. O túnel dos buracos negros é extremamente massivo, tendo uma espessura menor que zero, literalmente sumindo no espaço, neutralizando o gigantesco campo gravitacional ao longo do túnel, ou seja ele não atrai, nem repele. É exatamente por isto que o buraco negro não "consome" sua própria estrela, pois o campo gravitacional nulo do túnel que liga o buraco negro a estrela se mantem sempre em esticado ao longo dos milhares de anos-luz que os separam. Até o momento em que chegando a um nível limite de energia acumulada explode em forma de luz e calor, eis aí o nosso Sol!"
Ele parou de falar neste ponto, apenas nos observando. Não tínhamos como argumentar. A única idéia que nos passava na mente era: porque não pensamos nisto antes? Ele continuou durante mais duas horas explanando acerca das provas que havia coletado em favor de sua teoria.
Eu me esqueci durante o restante do dia da ameaça que estava pairando sobre nossas cabeças. Da Nova Atlântida. Da destruição quase total que ele queria concretizar contra nós. De tudo. E dormi tranquilo naquela noite, imaginando cenas de estrelas ligadas a buracos negros, possibilidades que surgiam com esta descoberta, e como o universo é perfeito. Mas o dia amanheceu como um pesadelo. A primeira noticia que recebi de manhã foi que estava preso. Minha casa estava totalmente lacrada, como sempre acontecia quando alguém recebia voz de prisão do INeuron. Prisão domiciliar não era uma invenção recente, ele havia copiado a idéia dos humanos, mas melhorou muito o conceito no ano de 2249, ano em que se registrou o maior número de sentenças de prisão deste 2177. Fiquei sem poder sair de casa por uma semana, sem comunicação, sem nenhuma satisfação quanto ao motivo de minha prisão, mas era óbvio, o INeuron descobrira minhas investigações. Depois de uma semana exatamente, recebi liberdade e um "convite" para comparecer a sala do INeuron.
Fui recebido por um IMen, um daqueles androides quase humanos, ele sorriu com uma naturalidade que me deixou por um momento em dúvida se não seria ele um humano, e me disse:
- O INeuron quer falar com você, venha. (Continua...)

Por Gilliard Lima.

Acompanhe no próximo capitulo desta inédita ficção científica: Como Vencer um Supercomputador Sinaptrônico?